domingo, abril 22, 2018

DA CELEBRAÇÃO DO LIVRO

(concretismo)


sempre do lado de quem escreve com a alma ferida, dorida, trespassada por loucuras e venenos.

NÂO SETE, MAS SETENTA VEZES SETE...


no novo evangelho, em Mateus, Jesus refere que não é sete vezes que devemos perdoar, mas setenta vezes sete. ensinem isto em todas as instituições democráticas, em vez de ganâncias...

(poesia concreta)

sábado, abril 21, 2018

ARTE/RESISTÊNCIA

(Arnulf Rainer)

alguns e são muito raros, os artistas que vivem as suas criações como pequenas loucuras, segmentos das suas vidas...

▣ 


outros e são demasiados e parece que se multiplicam em obras que mais não são de cópias sobre cópias, passeiam-se pelos palcos das televisões, de mediatismo em mediatismo, onde o que verdadeiramente interessa são os cifrões e a sua promoção. soberba e vaidade em palavras tipo: nós os artistas....blá...blá..blá...recentemente ouvi uma destas sumidades referir os cifrões dos custos de um objecto-arte. e fiquei de boca aberta...milhares...mas que raio...um investigador passa anos a trabalhar na sombra e quando revela algum pequeno avanço, fá-lo com esforço e quase ninguém o escuta, estas sumidades produzem "qualquer peido" e zás...que cool tirar uma foto ao lado da peça  do artista XXXX para o face....

sexta-feira, abril 20, 2018

ARQUITECTURAS PASTORIS

abrigo pastoril. 2018

mais um abrigo pastoril, um excelente exemplar em pedra seca, com tecto em falsa cúpula. continuam a assinalar na paisagem esses eixos de significação histórica de um pastoreio extensivo. também são exemplos extraordinários de eco-construções, de uma arquitectura simples mas funcional. mas que não deixa de conjugar habilidades e saberes extremamente importantes. por outro lado, assinalam na paisagem esse compromisso ético com o lugar, pois a grande maioria está aqui há alguns séculos, sem danificar nada, mas protegendo da chuva, das intempéries, das horas de calor, todo o ser vivo que ali se abrigue. 




terça-feira, abril 17, 2018

DA CULTURA...

(femmesoul)

recentemente a discussão em torno da cultura ecoou de vários quadrantes, porém, talvez seja também necessário uma profunda discussão em torno das "necessidades culturais" ou para os "usos da cultura", de muitos e diversos espaços culturais que ninguém visita e no entanto, alguns são notáveis em programas culturais, em equipas de trabalho, em respostas às comunidades que lhes dão leitura. também acontece amiúde ouvir de quem visita este país, as melhores das valorizações, ora nos olhares deslumbrados para os artesanatos, ora nos paladares das comidas, ora em diversas outras dimensões onde a diversidade cultural os espanta. mas num instante, ao olhar-mos para dentro do país, tudo parece tão cinzento e tão igual ou parecido aos tais "museus de socos" (como os ingleses denominam os museus locais). colecções etnográficas que mais parecem arqueologia, sem dinâmicas, sem leituras a partir do presente. espaços culturais sem quadro orgânico, sem projeto a curto prazo (pois nunca se podem pensar estas agendas a longo prazo, existem mudanças estruturais, a melhor forma será por ciclos). este é para mim o maior dos investimentos na cultura e não por erro em "pacotes culturais", nem meramente em estruturas, é urgente apostar nas dinâmicas que fomentam as capacidades criticas, que darão respostas às tais procuras de quem visita os espaços culturais. respostas a partir das reflexões de cada humano, em permanente diálogo com o meio envolvente e a comunidade, e não as respostas imediatas  quase maquinais. mostrar que os entendimentos envolvem culturalmente as diferenças identitárias de cada um e não o comum "negociado". talvez os debates sobre a cultura se tenham que virar para si mesmos...para que serve? os seus usos?

domingo, abril 15, 2018

SENHORA DO ALMORTÃO

Senhora do Almortão
abençoai os da Idanha
Onde vos foram a pôr
Numa tão linda Campanha

*versão de fora de Idanha-a-Nova

Senhora do Almortão
Castigai os da Idanha
Onde vos foram a pôr
No meio de uma Campanha!



tão ricos esses sentidos de alteridade entre uns e os "outros". também o próprio sentido do lugar das Campanhas em relação à proximidade geográfica de outras subunidades de paisagem, como o Campo, mais a Norte....

DO VERBO APRENDER...


tomai sobre vos o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração

11:29 S. Mateus


que beleza preenche esta frase, lisa, ampla, luminosa. e tantas serpentes a silvar contra quem transporta esta frase no coração...

sábado, abril 14, 2018

VIAGENS

(bluesyndrome)


embora, praticamente, qualquer lugar do mundo esteja à mão, existem milhares de humanos que não têm condições económicas para viajar. convém que nos lembremos disto. para que não nos tornemos arrogantes em relação aos outros. 

sexta-feira, abril 13, 2018

OBJECTOS


recolho sempre objectos na praia, guardo-os em sacos como miscelâneas. sempre com a esperança de um dia os catalogar e classificar numa ordem imaginária...

TOPONIMIAS....