sexta-feira, novembro 24, 2017

ANTROPOCENO


a nossa joaninha Fiama Jasmim, em digressão por um planeta verde, onde sejam possíveis outra vez os imaginários, os lendários, os mitos, as novas e velhas religiões...que  tudo ou quase tudo não seja pelo dinheiro e com o dinheiro...continuam a existir e a persistir os "espíritos dos lugares"...

quinta-feira, novembro 23, 2017

há quem não dê
há quem não dê sequer ao cão

ruy duarte de carvalho. observação directa. p. 22

quarta-feira, novembro 22, 2017



take a journey to the bright midnight

the doors, end of the night. EKS (1967)

terça-feira, novembro 21, 2017

um sol demente perfura as pedras da calçada
com círculos respirados
uma cabeça caída sobre o corpo ébrio
sai da sombra espessa das casas

a cabeça quer ultrapassar as pedras
adormecidas e trespassadas
pelos círculos de uns olhos
de sóis estagnados

a cabeça  & os olhos
sentam-se para adormecer
alguém passa por dentro do écran
& pergunta como se respira

eddy chambino. caderno 00. 2017

SACRED DANCES

(immanence)

sexta-feira, novembro 17, 2017

o caco já foi panela
e o escravo já teve mãe

ruy duarte carvalho. observação directa. p18

quinta-feira, novembro 16, 2017

(...) ainda é nos desgraçados, nos miseráveis, nos repelidos, nestes e não nos felizes superficiais, não nos príncipes de quaisquer poderes (...) que perdura o eterno germe da redenção do homem.

josé régio. poemas de deus e do diabo. p. 27

una, é a luz do sol...

quarta-feira, novembro 15, 2017

CARTAS-SONHOS


esta é a primera carta deste ano ao pai natal da nossa princesa Fiama Jasmim (5 anos). estamos curiosos com os sonhos-pedidos. perspectivam-se outras cartas...
e um dia, ó flor de luxo, nas estradas
sob o cetim azul e as andorinhas
eu hei-de ver errar, alucinadas,
e arrastando farrapos - as rainhas!

Cesário Verde, (1875)

terça-feira, novembro 14, 2017

PRÁTICAS ALIMENTARES DO MEDITERRANEO


a gordura animal (porco) sempre foi das mais usadas na alimentação local beirã, o que contraria essa versão de se colocar o azeite como a gordura base do mediterrâneo. também sou da opinião de que não existe uma cozinha mediterrânea, mas sim um enorme leque de cozinhas do mediterrâneo.

DOCUMENTOS VISUAIS


segundo um monsantino, esta seria a banda filarmónica de Monsanto. pelo enquadramento seria uma foto tirada no castelo, anos 30/40??, em algum momento festivo (festa do castelo ??). seria interessante recuperar esta memória...

segunda-feira, novembro 13, 2017

(captainpolychromatic)


o poeta funda o que resta

holderlin

domingo, novembro 12, 2017

(rinat voligamsi)


"a diferença entre a comunidade e a rede é que tu
 pertences à comunidade, mas a rede pertence-te a ti"

z. bauman

sexta-feira, novembro 10, 2017


faz parte deste século, a recorrência de discursos sobre igualdades, porém, esquecemos muitas vezes os verdadeiros heróis e heroínas que a defenderam na sua essência. Olympe de Gouges (1748-1793) foi guilhotinada por defender os direitos universais das mulheres.

ARTE PASTORIL

museo de etnografia de castilla y léon. zamora


os pastores-artistas são talvez os mais consciencializados do valor estético das suas artes. raramente a comercializam e quase sempre a disponibilizam gratuitamente. são objectos intrinsecamente humanísticos... 

quinta-feira, novembro 09, 2017

quarta-feira, novembro 08, 2017

terça-feira, novembro 07, 2017

ENCONTRO DA ALDRABA EM TERRAS RAIANAS....















esta partilha de experiências foi um verdadeiro ágape....

terça-feira, outubro 24, 2017

ZAMBURRA, SARRONCA OU RONCA....


a zamburra, um instrumento musical absolutamente genial. este exemplar exposto no Museu Nacional de Etnologia, em cântaro de folha de flandres é proveniente do Rosmaninhal, justificando essa especificidade e envolvência sonora com este território, ligada aos ciclos festivos (Natal, Carnaval). hoje, face ao domínio generalizado do adufe, este singelo instrumento quase desapareceu e a sua tão peculiar sonoridade, quase jocosa, vai-se silenciando. lembro-me de uma senhora americana, responsável de uma etiqueta discográfica, ter ficado extasiada quando ouviu por primeira vez em Sliven (Bulgaria), o grupo saca-sons da Zebreira, chegando mesmo a manifestar interesse em gravar um disco. tenho curiosidade em espreitar alguns repertórios musicais associados a este instrumento, especialmente aqueles que remetem directa ou indirectamente para os ciclos rituais anuais. uma outra dimensão interessante, prende-se com a sua construção.

segunda-feira, outubro 23, 2017

domingo, outubro 22, 2017

ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU


esta documentação visual associada aos discursos da fé e da crença, amplia as análises e os problemas associados à documentação qualitativa...

sábado, outubro 21, 2017

pós-incêndios. um homem chora pelas suas colmeias perdidas. outro lamenta com lágrimas uma nespereira enxertada. uma mulher olha o vazio e pergunta a uma vizinha se viu o seu gato. um homem entre choros soluça o seu querido olival. um casal caminha na direcção da sua casa queimada. uma família em silêncio na berma da estrada tenta confrontar a realidade de um seu vizinho falecido. lembrei-me de Saramago, quando proferiu um dos melhores discursos de sempre: "o meu avô antes de ser hospitalizado foi despedir-se das suas árvores". será que algum governante entenderá o que é o amor por uma singela árvore?

e que mais da miséria se espera, quando a norma tem sido um grito mudo, a consequência de um conjunto de direcções financeiras que mais nada se esperava do que o aumento das dificuldades, e um recado do tipo "self help", tal como nos habituou um senhor que do alto da sua arrogância nos receitava um mandamento eficaz: emigrar em vez de lutar por um país que é de todos...
Vol. I. 2017
pós-incêndios. ouço um autarca de uma destas regiões mais afetadas referir que o fogo veio de outros municípios. logo o seu município está isento de qualquer fraqueza ou falha. os outros municípios de onde o fogo veio é que são os negligentes. serão estes argumentos necessários ou deliberados numa altura de catástrofe?

um outro ponto é o atraso que este interior centro flagelado revela, os parcos investimentos no social. as habitações, os arruamentos, as estradas, as pequenas reformas, as juntas de freguesia com orçamentos minguos. ficou na memória de todos e provavelmente do mundo inteiro, como estas pessoas defenderam os seus lugares, a impressionante entre-ajuda na luta contra estes incêndios colossais (quase ficção cientifica), em muitas situações, imagine-se, com baldes de água, pequenas mangueiras de quintal...esta é a imagem de um país tremendamente diferente daquele que os governantes destes últimos 20 anos ficcionaram...
Vol. I. 2017
parabéns estrelinha
hinos triunfais para este dia

quinta-feira, outubro 19, 2017

quarta-feira, outubro 18, 2017

ainda pós-incêndios. estranhamente não ouvi nenhum grupo de ecologistas. manifestações cívicas na rua. soltam uma "avezinha" e lá estão todos juntos em prole da  restituição da natureza perdida...

terça-feira, outubro 17, 2017

segunda-feira, outubro 16, 2017

"em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão", esta é a máxima a subtrair aos transversais debates pós-incêndios. ao contrário de muitas opiniões políticas que tentam "jogar um jogo extremamente delicado e perigoso", ao fazerem questão de teimarem no foco cego das desgraças dos outros para posicionamentos políticos controlados à distância. uma das grandes certezas é o grau de seriedade imediata e urgente que esta matéria dos incêndios impõe às populações e suas administrações locais e nacionais. eu pergunto, ao longo do ano, quantas vezes ouvimos as pessoas mais comuns que vivem  a realidade dos quotidianos nestas zonas flageladas, aquelas que são deveras conhecedoras dos verdadeiros problemas e/ou suas causas? 

domingo, outubro 15, 2017

sábado, outubro 14, 2017

no alto de uma torre sineira solitária, numa noite
 escura de outono, com um silêncio das horas quase absoluto...

quinta-feira, outubro 12, 2017

(maria clara eimmart)

CANCIONEIRO TRADICIONAL DO CONCELHO DE IDANHA-A-NOVA

ó minha estrelinha do Norte
vai andando que eu já vou,
que me quero despedir
duma mãe que me criou,

(Ti Emilia, Idanha-a-Nova)
(randomitus)



a itinerância experiêncial de seguir atrás de um rebanho em direcção a um lugar qualquer que o pastor define é paciente, muitas vezes demoradamente paciente, outras a uma velocidade estonteante. nesta condução do seu rebanho, o pastor adquire e coloca em prática um conjunto de saberes/acções corporais incríveis: gestos, assobios, formas de falar com os animais, sons, manuseio do cajado e de pedras, treino de cães...enfim, entenda-se de uma vez por todas que estamos perante o fim eminente de uma arte   milenar, definidora das identidades destas terras raianas. aliás, depois de muito aprender  e/ou apreender com as longas itinerâncias pastoris, entendi deveras o que Alberto Caeiro queria dizer com "eu sou do tamanho do que vejo"...existe tanto mundo nestas itinerâncias...

quarta-feira, outubro 11, 2017

(realsurrealfeel

sentir que no nosso coração a vida realizou o último dos milagres: tornou-se num conto de fadas.

n. kazantzaki. o bom demónio, p. 131.

terça-feira, outubro 10, 2017

(toghrul, iran)

LENDÁRIO POPULAR RELIGIOSO. CRISTO

quando Jesus Cristo foi crucificado, voava em volta dele uma andorinha, que pouco a pouco lhe foi arrancando os espinhos que estavam cravados na sua sacra cabeça. Deus, em recompensa de tão benemérita acção, prometeu à andorinha, que ela seria amada e protegida pelos homens.


caderno notas de campo

POESIA POPULAR (BEIRA BAIXA)

eu vi o filho do rico
em lindo berço embalado
eu vi o filho do pobre
em tristes palhas deitado



segunda-feira, outubro 09, 2017

domingo, outubro 08, 2017

é preciso ter asas quando se ama o abismo

f. nietzsche
(Lieven Cruyl)

sexta-feira, outubro 06, 2017

Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Baptista; mas, aquele que é o menor no reino dos céus é maior do que ele. E, desde os dias de João Baptista, até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele.

Mateus 11:11, 12
o "caderno de notas de campo" é um autêntico canivete suíço. varia consoante os gostos. por lá costumam permanecer ideias relâmpago, frases soltas, desenhos atribulados, esquemas, nomes, nomenclaturas, riscos...muitos riscos. é uma das ferramentas principais no terreno, pois muitas dessas "matérias densas" são uma ajuda urgentíssima...para a memorização...