segunda-feira, dezembro 31, 2012

A TODOS OS SONHADORES QUE AINDA OUSEM SONHAR

(ganja-and-mountzion)

desejo a todos (as) que por aqui 
passam um prospero ano 2013...

domingo, dezembro 30, 2012

MONUMENTOS TAUROMÁTICOS



praça de touros João Branco Nuncio, Alcacer do Sal.

sexta-feira, dezembro 28, 2012

domingo, dezembro 23, 2012

PENSAR POR NÓS MESMOS...


ao contrário de infimos pensadores, nietzsche nunca impôs a ninguém como caminho único a sua própria filosofia e o seu modo de pensar o mundo. apresentou antes um elaboradissimo guia para cada um pensar por si mesmo...aliás, desafiou mesmo a termos coragem para expurgar tanto lixo toxico que nos retira a nossa única e mais valiosa categoria humana, a de pensar por nós mesmos, só isto nos transforma em seres cósmicos com a liberdade para nos reinventarmos...

sábado, dezembro 22, 2012

SONS INAUDITOS

HOJE NO FORUM CULTURAL

*divulgo

MESTRES DA PEDRA

(cnc)


para além de qualquer aprofundamento teórico que estas evidencias historicas requerem, apenas estes pensamentos breves que acompanham as minhas observações relacionadas com as relações entre o homem e o mineral:  tudo começou à cerca de cinco milhões de anos nessa complexa epopeia da pedra lascada. sobre a contemporaneidade destes mestres da pedra, penso que já são meramente documentos históricos. a proposito, existe na proximidade um belissimo espaço museológico dedicado à pedra e aos seus artistas, o museu do canteiro, em alcains.

quinta-feira, dezembro 20, 2012

SOLSTÍCIO DE INVERNO

(alessandra zamperini)

a riqueza deste planeta está nas inumeras interpretações/representações que as diversas culturas deram a este como a outros acontecimentos cósmicos. enriquecendo os variados repertórios com uma enorme diversidade de linguagens (simbólicas, religiosas, culturais, etc).

quarta-feira, dezembro 19, 2012

DEIXAR AO FOGO


vive e deixa ao fogo
o infortunio obscuro

*rimbaud

LASCAUX

(life, lascaux. Ralph Morse—Time & Life Pictures/Getty Images)


estas gravuras localizadas nas grutas de lascaux (frança) estão datadas em 17000 anos AP. 

não obstante a insuficiência dos nossos conhecimentos sobre estas pré-escritas, podemos adiantar a hipotese segundo a qual esta apreensão especifica do real corresponde, verosimilmente, à noção de território.

*R. Barths e Eric Marty

domingo, dezembro 16, 2012

PATRIMÓNIOS MINEIROS. MOMENTOS DA EXPOSIÇÃO EM MEDELIM


este exercicio de partilha efectuado junto da comunidade e dos protagonistas deste passado mineiro, para além de congregar, torna-se absolutamente central nos processos de compreensão práticos e da aceitação da comunidade perante os propositos dos investigadores.

O INVERNO. AS LEITURAS INCENDIADAS...


uma viagem astrológica de metamorfose

henry miller

sábado, dezembro 15, 2012

NO TEMPO EM QUE OS ANIMAIS FALAVAM...


são ancestrais as  quantidade de histórias populares (lendas, mitos, contos) onde a interacção entre humanos e animais se mesclam, quase sempre com o proposito de evidenciar a superioridade dos humanos face aos animais. em inúmeras destas histórias os humanos transformam-se em animais e  vice-versa. são por estas razões antropologicas, notáveis  repertórios para o estudo desta remota e complexa relação homem/animal. até porque em termos classicatórios já dariam um bom argumento de problematização: animais em liberdade (selvagens), animais domesticados e condenados a viver em companhia dos humanos, seres fantásticos produto da imaginação dos humanos...                                    

sexta-feira, dezembro 14, 2012

CICLO DE CINEMA MINEIRO, MOMENTOS...



realizou-se em Monfortinho, com a apoio da junta de freguesia desta localidade, este momento filmico relacionado com o encerro da exposição "Quando a gente andava ao menério - o caso das T. de Monfortinho".


quinta-feira, dezembro 13, 2012

ON THE ROAD

sempre essa luz que se respira através de diafragmas vegetais 

domingo, dezembro 09, 2012

sábado, dezembro 08, 2012

VIVAM OS MADEIROS...




chegada dos madeiros em idanha-a-nova. 2012

o dia 8 de dezembro é tradição no concelho de idanha-a-nova a chegada dos madeiros de natal. todavia, fruto de um contexto de variadas e complexas mudanças nos territórios e nos seus tecidos sociais, esta tradição (como a maioria das tradições) hoje já integra outros elementos que a diferenciam daquilo que foram alguns dos seus supostos traços relacionados com a sua génese:  já não são os rapazes das "sortes" que vão buscar o madeiro, já não se passa a noite no campo, já não é necessário o roubo ritual da lenha, etc. porém, outros elementos mais arcaicos continuam a conviver a par com estas novas lógicas de (pós) modernidade: a própria celebração e a sua ênfase  com as suas estéticas associadas aos tractores (elementos decorativos, enfeites, etc), o consumo de álcool (aguardente, jeropiga, vinho), as buzinas e os cânticos (viva os madeiros) que acompanham o respectivo cortejo à sua chegada, algumas estruturas relacionadas com a sua organização (comissões de festas, associações...) é através destas manifestações culturais, próprias de cada território, que se vê o sangue das comunidades, os seus espelhos, as suas diferenças, as suas mudanças, enfim, o seu devir sempre em constante movimento. em suma, o que é a imaginação e a criatividade das sociedades senão o movimento. sabemos que esse cânone da tradição se não contemplar esta dimensão do "novo", é apenas um enfadonho texto estático, enfadonho, rigido. cabendo aos interpretes a mera cópia/reprodução...

*também uma nota especial para mais um aniversário da centenária banda filarmónica de idanha-a-nova.

quinta-feira, dezembro 06, 2012

O CASO DE MEDELIM


EXPOSIÇÃO MINÉRIO: A ITINERÂNCIA CONTINUA


o exercicio expositivo sobre o património mineiro do concelho de idanha-a-nova continua a sua viagem nómada pelas principais freguesias relevantes nos seus passados mineiros. depois da temática do ouro em T. de Monfortinho, vai agora viajar para Medelim, onde num passado mais remoto (finais do sec XIX) se explorou as fosforites e num passado mais recente o estanho e volfrâmio. 

terça-feira, dezembro 04, 2012

domingo, dezembro 02, 2012

REPRESENTAÇÕES DO MUNDO PASTORIL NA ICONOGRAFIA CRISTÃ

"Jesus Cristo o divino pastor"

esta é uma gravura lindissima. 

SOBRE O ESTADO DE "ALUADO"


esta designação surge associada a estados alterados variados em humanos e animais (cio,loucura momentânea, apatia, etc). interessante esta misteriosa influência da lua e seus ecos na tradição oral...

sexta-feira, novembro 30, 2012

A NOITE NA BEIRA


chegaram as noites frias de inverno. e com elas esses imensos silêncios fantasmais que povoam as ruas das aldeias beirãs. os aromas a lenha queimada provocam-me espirais de recordações. retornos aos tempos remotos em que as enigmáticas sombras que envolvem as pedras dos lugares estavam marcadas pelos ancestrais medos e por esta via ganhavam essa dupla e misteriosa vida de assombrações...

APARIÇÕES (LADO B)


quarta-feira, novembro 28, 2012

APARIÇÕES


estes pequenos grandes instantes de luz que irrompem sem qualquer ordem aparente são aquilo que eu chamo "o meu religioso". essa força que nos fulmina o interior com cargas atómicas de esperança. essa força selvagem, esse sentido do sagrado, muito longe dessas enfadonhas domesticações. 

domingo, novembro 25, 2012

sábado, novembro 24, 2012

LEMBRANÇAS FOTOGRÁFICAS II

é hoje às 16 horas no forum cultural a apresentação desta nova obra do Dr. António Catana.

sexta-feira, novembro 23, 2012

O OLIVAL É REVISITADO...

eis o tempo da apanha da azeitona. porém, já é só um residual frenesim dos tempos em que os campos de olivais ecoavam outra vida (produtiva e festiva).  a titulo de inquietação fica esta nota:

"a China têm aprofundado estudos no sentido de implementação de programas de melhoramento genetico da oliveira no sentido de adequar cultivares às condições edafo-climáticas locais. A meta é tornar a China a maior região olivícola do mundo" (oliveworld)

talvez esteja aqui a singular evidência para revisitarmos os "nossos" ancestrais olivais sob multiplos ângulos...

quarta-feira, novembro 21, 2012

ANDAMOS EM CIRCULOS E PORÉM NÃO SAÍMOS DA ESCURIDÃO...

(bill brandt)

neste preto, do qual despontam as suas cores ricas, há não só o transcendente mas também o despótico. o seu preto não é opressivo, mas profundo, produzindo uma fértil inquietação. faz-nos acreditar que não há fundo como não há  verdade eterna. nem mesmo Deus, no sentido do Absoluto, pois, para criarmos Deus, teríamos primeiro de descrever o circulo. não, não há Deus nestas pinturas, porque é tudo uma substância criadora que irrompe da escuridão e volta de novo à escuridão.

*henry miller, o olho cosmológico, p. 341.

segunda-feira, novembro 19, 2012

CICLO DE CINEMA MINEIRO

mais uma iniciativa em torno da exposição "quando a gente andava ao menério - o caso de T. de Monfortinho". 

sexta-feira, novembro 09, 2012

ROSMANINHAL, OUTRAS REPRESENTAÇÕES DO TERRITÓRIO

(toponimo localizado no rosmaninhal, herdade da nave da azinha)

interessa-me estas formas gráficas de mapear um território, de o representar no papel através de toponimos, linhas, traços, numeros, cores, etc. aqui o toponimo utilizado é bastante sugestivo de um tempo passado(?). esta apropriação social do espaço envolvente pela comunidade é importantissima, pois muitas das vezes fica esquecida dos mapas e só no seio da comunidade é que se decifram, traduzindo os significados dos usos e das posses das terras.

quinta-feira, novembro 08, 2012

ROSMANINHAL VISTO DE CIMA

partilho esta deslumbrante imagem aerea de rosmaninhal (idanha-a-nova). sob este ângulo e perspetiva tudo muda a partir deste altivo olhar. 

quarta-feira, novembro 07, 2012

UMA NOITE ONDE OS MURMURIOS SÃO DE CHUVA



"ele desce, ele cai", troçais vós.
a verdade é que desce sobre vós.
o seu excesso de felicidade foi a sua desgraça.
o seu excesso de luz acompanha a vossa obscuridade.

*f. nietzsche, a gaia ciência.

MOBILIÁRIO RELIGIOSO

igreja matriz de barrancos. 2012

terça-feira, novembro 06, 2012

ON THE ROAD


nós, os cara-de-noite-sonho em silêncios doces... 

terça-feira, outubro 30, 2012

VITAM AETERNAM

a ciclicidade do calendário religioso volta a congregar os vivos em torno dos seus queridos e amados mortos. os silênciosos cemitérios neste dia tornam-se centros mediáticos (ou quase).