quarta-feira, julho 26, 2006

PENSAMENTOS

dos livros esquecidos

quando o homem
não puder transcrever o mundo
para uma folha de papel amarrotado
nem as tentativas
dos homens que falharam
puderem ser vistas
é porque o homem
morreu

amén

terça-feira, julho 25, 2006

DESPOJOS



EMENTÁRIO DO SILÊNCIO

O CAMINHO E OS SEUS IMPOSSIVEIS



Para onde nos leva um caminho? a essência do caminho? o que encontramos no caminho? quem frequenta o mesmo caminho? o que interfere na escolha desse caminho? parafraseando Carlos Castañeda "todos os caminhos têm coração"...

quinta-feira, julho 20, 2006

ARQUITETURAS TRADICIONAIS DO CONCELHO DE IDANHA-A-NOVA


idanha-a-velha. 2005

A deambulação das sociedades humanas pelo seio de uma natureza intocável terminou quando o Homem descobriu a domesticação dos animais e das plantas. Desde então, foi introduzindo na paisagem o elemento novo dos seus estabelecimentos. Neste sentido e tendo em conta, principalmente, as paisagens em que as sucessivas transformações ao longo do tempo permitiram perservar elementos essenciais, ou seja, autênticos, "torna-se óbvio que a história está embebida na paisagem e que a paisagem integra as condições naturais com uma longa e especifica acção humana, refletindo tanto a história natural como a cultural de um território, e resultando num conjunto que é único em cada caso" (Pinto-Correia, 2005).

Inicio esta viagem com um dos mais caracteristicos modos de habitar a paisagem do concelho de Idanha-a-Nova, a arcaica choça do pastor. tradicionalmente elaborada a partir de materiais do seu meio natural envolvente (estevas, giestas, juncos, colmo, etc).

domingo, julho 16, 2006

CURTAS METRAGENS



I ACTO

is everybody in?
the ceremony is about to begin




o “the end” dos doors pulsava naquele quatro cheio de livros e papeis tingidos com poesias obscuras. um corpo nu segurava uma cabeleira húmida que libertava um perfume silvestre. projectava-se contra um espelho rectangular. alice no pais das maravilhas ou um anjo destituído das asas celestiais. moldava os caracóis com as finas pontas dos dedos. fixava a sua imagem no espelho e alternava diversas poses felinas. o grito da borboleta dentro da noite infinita. a cavalgada atingia o auge rítmico e com um gesto imperial soletrava “ This is the enddd…”. depois olhava profundamente para a sua imagem. ia até onde ela se perdera, encontrava as orgias dionisíacas. ouvia aclamações, aplausos, gemidos, urfares. tinha chegado ao reino dos ciprestes. montava agora a velha serpente que o levava até à cadência rítmica dos últimos dias alaranjados. tinha encontrado a nudeza cósmica. queria fazer uma aliança de sangue e copular com as estrelas até à cessação das profundas dores. conheceu a dança. os círculos de fogo. o vinho. a mulher. provou dos seus lábios o amor e desejou-a para sempre. soletrou-lhe visões de reinos antigos. entregou-lhe nos braços a sua única e misteriosa morte. prometeu-lhe uma nova religião. a cósmica aliança entre duas almas e a eterna dança em torno do fogo primordial. tinha chegado o momento. o sacrifício. a morte iniciática. a noite planeava leva-lo até aos intermináveis silêncios. despedira-se daquele momento com um esguio e lascivo movimento de ancas. eh Dionisius, dá-me uma cerveja!

Lembras-te estrelinha?

toma lá esta mão azul cheia de pássaros incandescentes.
leva-a para o sul dos teus sonhos.
encosta-a à harpa do teu coração se tiveres medo.
se a perderes nas planícies da escuridão chama pelos campos esverdeados
onde deixamos as marcas dos nossos corpos em beijos prolongados.
acorda esses caules tombados.
&
outra vez receberás os desabrochares das madrugadas
com esta mão mansa por cima do teu ombro nu.

MAIS ESPANTOS...

uma estranha dança percorre os caules da cevada e a nudeza cósmica enfrenta as maduras pedras.passam carros saídos das profundas raízes.vão na direcção do vento.do esvoaçar leve dos passáros.lá em cima as folhas das arvores dão gargalhadas silenciosas.a noite poisa nessa pelicula rugosa e amamenta todos os sonhos.existem fracturas na estrada de alcatrão.peles de cobras deixadas ao acaso.grilos que cantam para os orifícios da terra.não muito longe dali os homens lembram-se.lembram-se de como segredava a terra enquanto as mãos iam gretando.assistiram ao gretar em silêncio.apenas o vinho os escutava.os amamentava como uma nova mãe.os educava como um novo pai.vinha o toque do sino e arrancava-lhes esse novo coração a saber a vinho.vinham as mulheres de preto para lhes secar todos os líquidos.eram outra vez homens.mas à porta da taberna ainda lá estão os órfãos destes pais.escutam o tempo como a terra lhes ensinou.nunca viram o mar.mas o mar veio ter com eles pelos cantos dos olhos.cristalizou a salgada agua nas bocas roxas.misturou-se com o que resta do vinho e com essa mistura os homens nunca mais deram gargalhadas.

terça-feira, julho 11, 2006

ESPANTOS

Comecei por provocar a descendência dos passos dentro dos dias, depois transcrevi  o que pensava que restava da arcaica essência das noites para as folhas de papel gastas de fundos bolsos vazios. Com os lábios secos de eloquentes cansaços  selei todas as conversas. Algo ia e vinha, não era o sonho, não era a loucura, era um espaço mágico- vazio à espera de super-palavras, era o cheiro do vinho dentro de uma taberna à muito fechada. Ao sentir uma quebra, perdia, perdia o momento, perdia muitas palavras soltas, que me faziam lembrar missangas que rebolavam para baixo da minha cama e ai ficavam esquecidas, até ao dia em que fiz por encontra-las, mas já não tinham qualquer significado, eram insignificâncias, insignificâncias assassinadas por mim. Perder é um acto sem cobardia, porque a própria palavra é uma ferida.
Belisco-me, para poder escrever, trepo às árvores, às flores, aos montes, aos beirais onde as andorinhas adormecem, às torres onde os sinos não enferrujam nem as cegonhas se incomodam. Persigo-me nos caminhos por onde já passei, provo o mesmo pó, as pessoas acenam-me sem me reconhecerem. as letras, as palavras, as frases que eu procuro, alguém as viu?
Não, claro que não. Tudo o que procuro ninguém viu, nem mesmo aquelas conversas que ficaram nas paredes do coração. Letras que eu mostro e pergunto: reconhecem-nas? O pó reconhecem, porque é a ausência envelhecida, mas essas palavras não, o caminho até elas emudeceu e agora são como emaranhados novelos de silvas , com boas amoras, com espinhos que fazem por lembrar sangues atrevidos.
São palavras e mais palavras, conversas e mais conversas que eu procuro, Antígonas, Cassiopeias, Pandoras... Vigiai-me para que não enlouqueça, para que não meça as distâncias entre os olhos da alma e os olhos da carne.
Outrora as figueiras ardiam, hoje vejo como estão esverdeadas, preparando o fruto na orbita onde ferve o leitoso suco, assim como eu, na orbita das veias preparo todas as efervescências, preparo o fogo, para que o fruto arda, amareleça o papel, molhe as pontas dos dedos, vicie as pálpebras e dilate as distancias, para que as lentes se ajustem e não tenham receio de perder estas palavras. onde estão as minhas palavras? Alguém as viu, enquanto adormeci?

segunda-feira, julho 10, 2006

chocalhos e campainhas: o fim de uma paisagem sonora


Romaria da S. do Almurtão/Idanha-a-Nova/2006. 

Depois de ter percorrido o vasto recinto desta imensa e fascinante ritualidade, eis que encontro o que resta da venda destes arcaicos objectos, será que caminhamos a passos largos para o fim de uma das paisagens sonoras mais caracteristica da Beira Baixa?