terça-feira, dezembro 29, 2015

BOM ANO NOVO

"la escassez de comida se vuelve
deliciosa, porque tenemos la barriga 
llena de mariposas"

*calle 13

segunda-feira, dezembro 21, 2015

AO SOLSTICIO DE INVERNO

(Zdislav Beksinski)

boas festas a todos...e não se esqueçam de sonhar 
com musica rara

*

sempre partimos do principio de que a noite é tão imensa...

sábado, dezembro 19, 2015

*


"a verdadeira coragem não está em saber quando tirar uma vida, mas sim quando perdoar uma" 

*gandalf

sexta-feira, dezembro 18, 2015

TAMBÉM A LUZ...


quase tempo de solstício de inverno. observo as pedras escuras, as frias sombras e por cima uma luz clara, nua, intensa que arrasta a vila por inteiro, transportando-a como se água fosse...

quinta-feira, dezembro 17, 2015

CINTILANTE


são pequenos nadas, mas é aqui que os meus espantos residem...fazem-me trilhar com esperança esse imenso, difícil e árduo caminho até ao silêncio.

segunda-feira, dezembro 14, 2015

RITUAIS DE INVERNO. MONFORTINHO (IDANHA-A-NOVA, PORTUGAL)




escolhi três momentos relacionados com a ida aos madeiros que ocorreu durante este fim-de-semana em Monfortinho. ambos acontecem no mesmo dia (corte das lenhas e peditório na aldeia), reservando-se o dia de entrada na aldeia, mais efusivo para a restante comunidade, para o dia seguinte ao final da manhã. como na maioria do interior de Portugal, estes rituais relacionados com as fogueiras de inverno (Natal), estão em acelerada transformação (como seria de esperar, afastando aqui qualquer intenção ou posição "tradicionalista" ou "progressista") em muitos casos são já inteiramente organizados pelas instituições locais (juntas de freguesia, municípios, etc), institucionalizando-se desta forma as práticas festivas e suas ocorrências mais particulares, que nos remetiam para um grupo especifico (rapazes solteiros, festeiros, etc), com as suas sociabilidades concretas e suas tensões. assim, como em todas as dimensões festivas, tempo e espaço estruturam-se como eixos centrais, polos onde a comunidade se revela. o caso de Monfortinho penso que é ainda de uma relevância notável, pois continuam a participar os jovens solteiros (já com alguns casados na ajuda) que teimam em afirmar este rito de passagem, outrora significativamente ligado à passagem para a idade adulta e claro, com uma expressão colectiva mais operativa. o peditório remete-nos para essa extraordinária circulação de géneros, que por toda a Beira Baixa se difundia e que está intimamente ligada ao o culto dos mortos. o próprio culto das almas (encomendação das almas) tinha na sua base estas formas arcaicas de peditórios.

domingo, dezembro 13, 2015

RITUAIS DE INVERNO

(charles freger)

do norte da europa a riquíssima mitologia ligada ao ciclo de inverno...

quinta-feira, dezembro 10, 2015

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL. A VIDA ENQUANTO FRAGMENTOS DE UM TODO



Ti Inês, caiar o interior da cozinha. Rosmaninhal, 2008.


há muito que as novas modalidades de processos de patrimonialização ligados ao Imaterial (PCI), se tornaram moda, vieram, de certo modo, preencher a saturação dos pequenos museus etnográficos locais, que sem projecto e sem quadro orgânico, foram caindo no mais desconcertante dos esquecimentos. seria mesmo interessante um estudo museológico à escala do país, tendo como base os supostos museus locais e suas colecções na actualidade. esta nova modalidade de celebração patrimonial (PCI) que em muitos lugares se impõe com novas dinâmicas assentes na valorização de festas, saberes, ritualidades, musicas e práticas, clama por uma lógica de salvaguarda que impõe modos de actuação diferenciados, mas também levanta outras interrogações em relação ao objecto a tratar, para que fins o seu "entesouramento", que agentes e interesses interferem à sua volta? o antropólogo João Leal usa uma expressão de foro "posologico" que me parece a mais operativa em termos reflexivos, o PCI "deve ser agitado antes de ser usado". 

terça-feira, dezembro 08, 2015

À PROCURA DO GÉNIO DOS LUGARES

o que deveras me fascina é a revisitação de lugares ou melhor de pequenos lugares, quase secretos, que ainda perservam essa aura fantasmal, esse "génio do lugar". 

segunda-feira, dezembro 07, 2015

*


ARTE

Tammam Azzam, syria.

a guerra tem destas coisas, obriga a repensar a vida em termos criativos...

domingo, dezembro 06, 2015

AINDA...O OUTONO EM IDANHA

amanita bisporigera (venenoso). Idanha-a-nova. 2015

sexta-feira, dezembro 04, 2015

ARQUITECTURAS POPULARES DO CONCELHO DE IDANHA-A-NOVA

Monfortinho (Idanha-a-Nova). 2015


em termos estéticos, ecológicos e sociais são construções simples, autênticas lições vivas de (re)utilização de matérias-primas (materiais da área envolvente) e espaços com formas de uma vida simples que nos está no sangue a todos os que nestas terras temos gerações enraizadas. assumem-se principalmente como construções que apoiam (ou melhor apoiavam) as culturas agro-pastoris locais, daí as importâncias patrimoniais anexas. este vasto território beirão só é possível entender-se por esta via, ou seja, valorizando-se o que estruturalmente deu alicerces a todo um modo de vida que está mais próximo da simplicidade, com práticas e leituras fundamentais da escassez, em vez da ficção das farturas exacerbadas (como nesta época natalícia se quer ficcionar a maior filhó de Portugal, mas afinal para quê...quando nos bastaria as pequenas com aquele saber-fazer  sábio das nossas avós que lhes davam o nostálgico aroma do regresso a casa...)

quinta-feira, dezembro 03, 2015

quarta-feira, dezembro 02, 2015

DAS BRUXARIAS

Witches’ Sabbath, Jacques de Gheyn II, late 16th-early, 17th century.


os "terrenos" da heterodoxia religiosa...



segunda-feira, novembro 30, 2015

AO PASSAR DA HORA...

(perfectpatheticpicture)


estou debaixo daquela arvore escura e intensa...respiro-me. respiro-me 

sábado, novembro 28, 2015

segunda-feira, novembro 23, 2015

MESQUITA DE CORDOBA

(españaenfotos)

hoje num programa da TVE2 onde se falou da grandiosa Mesquita de Cordoba transformada pela Igreja Católica em Catedral de Cordoba, lembrei-me do imenso património judaico anulado ou adulterado sob os mesmos princípios ideológicos. e que hoje em muitos lugares  da península ibérica é activado em moldes meramente folclóricos. este monumento representa por si mesmo a história possível e magnifica da convivência entre as três religiões do livro (islão, judaísmo, cristianismo), é em termos de lucidez histórica e civilizacional um dos únicos monumentos no mundo que nos fazem verdadeiramente repensar o problema das sociedades multiculturais.   custa tanto e cada vez mais celebrar a existência ecuménica nesta velha Europa cada vez mais intolerante...aliás, este mesmo  gérmen de pensamento forja toneladas de raiva contra o "outro". citando Gandhi "as religiões são caminhos diferentes convergindo para o mesmo ponto. que importância faz se seguimos por caminhos diferentes, desde que alcancemos o mesmo objectivo

domingo, novembro 22, 2015

IDANHA-A-NOVA. COLECTAS DE OUTONO


embora a chuva não tenha ajudado muito, pelo menos em termos de cogumelos, ainda assim temos saboreado o que a terra tem para oferecer.

*

(michelangelo pistoletto. venus of the rags. 1967)



*

(karl blossfeldt)





se calhar seria muito pedir às pedras
e aqui estou ancorado às raízes        à espera


(e.dd.y cha.m.bino)

terça-feira, novembro 17, 2015

segunda-feira, novembro 16, 2015

DIAS OUTONAIS EM IDANHA-A-NOVA

estas são as nossas deambulações favoritas na imersão das cores, com a luz de outono nas pedras, sem trajetos definidos, embalados pelos sons envolventes da natureza, em recolectas da época (espargos e cogumelos). de descoberta em descoberta das pequenas coisas...

BIBLIOGRAFIAS...


pão, vinho e azeite (acrescentaria os gados)
esta é a base que teremos sempre que (re)pensar em relação aos territórios históricos do mediterrâneo (onde nos inserimos) e suas supostas propostas de valorização e salvaguarda patrimonial (dieta mediterrânea).

domingo, novembro 15, 2015

MULTIPLICAR ATÉ À ESSÊNCIA...


MULTIPLICAR ATÉ À ESSÊNCIA...


TERRORISMO. PARIS


de todas as palavras possíveis em todos os alfabetos (árabe inclusivé) nenhuma serve para descrever ou caracterizar o que aconteceu ontem em Paris. um ataque destes no coração da civilização europeia (ocidente) ganha contornos drásticos e demasiado profundos. sabemos que a democracia está cada vez mais moribunda (fruto de conjunturas que os próprios governantes ocidentais têm contribuído com a sua dose de culpa). o que estes "outros" selvagens (não o islão que é absolutamente uma doutrina de paz e serenidade), os do sangue fresco, apenas e tão só terroristas, com indices de animalidade exacerbados vieram reconfigurar no mundo ocidental, foi precisamente o que nestas sociedades de "destruição massiva" há muito pretendem, aniquilar de vez o pensamento critico e livre, aniquilar de vez o absoluto valor das democracias ocidentais, ou seja, envenenar de vez um mundo que se tem encontrado e multiplicado em comunidades possiveis de paz...

por outro lado, temos que reflectir muito seriamente nos milhares de euros gastos na segurança dos Estados-Nação soberanos, pois se foi possível repetir este acto com a maior das naturalidades, no centro de Paris, imaginemos à escala das periferias europeias. penso que é um tremendo fracasso das policias europeias (francesas principalmente), dos discursos demagógicos que tem o bastião da sociedade de informação por pilar, extravasando discursos meramente de promoção ideológica. o que se faz perante a realidade deste buraco da história, como se sentem estes milhares de soldados de um pais quando isto acontece, quando no seu coração intimo deixam morrer uma centena de pessoas inocentes? a resposta é só uma..fracasso total...fracasso fruto de políticas mediáticas...e agora como se vão repensar as lógicas de entre ajuda  perante os "refugiados sírios", como se vão rever os cidadãos perante a crescente militarização da vida social? talvez os terroristas muçulmanos  tenham conseguido impor a essência da sua verdadeira religião, o medo no ocidente...o diabólico medo, pois nunca mais teremos jardins sem armas....

sexta-feira, novembro 13, 2015

NO LAGAR...

o moinho, com duas galgas já inoperativo. hoje a azeitona já é moída em moinho eléctrico. 

quarta-feira, novembro 11, 2015

NO LAGAR, A PENSAR NO MEDITERRÂNEO


a sazonalidade ligada ao ciclo da azeitona é absolutamente central nos territórios raianos (símbolo do mediterrâneo) e a qualquer pensamento/acção em torno da (re)visitação dos campos. as pessoas tornam a frequentar os campos, o frenesim reactiva-se em torno dos espaços tecnológicos da transformação de azeitonas (lagares). penso que esta dimensão social e econômica está muito próxima das vindimas (em territórios vinícolas). em termos de equipamentos tecnológicos ligados directamente aos campos e à sua dimensão social e económica, os lagares neste momento fecham talvez um enorme ciclo industrial...

terça-feira, novembro 10, 2015

*


NA TIPOGRAFIA...


estas artes gráficas são absolutamente estruturais para uma sociedade que de forma veloz se precipita nos mundos digitais informatizados. porque são espaços de grafismos manuais, com ferramentas, instrumentos e saberes impregnados pelo humano. as máquinas aqui funcionam numa dimensão sonora parametizada, onde o humano (tipografo) lhe impõe o seu corpo, com os seus jeitos (gestos), assim as máquinas o prolongam e o completam em termos de conhecimentos que superam o mero acto técnico e repetitivo...

segunda-feira, novembro 09, 2015

*

Tuk Tuk proibidos de entrar nos bairros históricos



quando se fala de turismo sustentado...cidades ecológicas...parques verdes...promoção de cicloturismo...ciclovias...vias verdes...etc..etc...e nos oferecem empresas de turismo massificado com lógicas de transportes à escala de países super-poluentes (evito a tal expressão "terceiro mundo", porque concordo que não existem países de 1ª nem de 2ª...muito menos de 3ª). porém, um mal menor se existirem preocupações ecológicas junto destas geringonças, com motores electricos (penso que é já norma na maior parte)


ainda assim, no pais existem magníficos exemplos de utilização de carroças para passeios turísticos (Campo Maior, Évora...) e porque são modelos extraordinários de modos de vida  sustentáveis...para mim, seria bem mais interessante colocar alguns dos modelos que estão no museu dos coches em circulação? o próprio museu tornar-se num polo de divulgação destes passeios pela encantadora Lisboa...
podia-se inclusive dedicar um dia "ecológico" à cidade e estes circuitos fundamentarem-se com actividades em torno destes meios de transporte...

VITAM AETERNAM


sexta-feira, novembro 06, 2015

quinta-feira, novembro 05, 2015