domingo, março 30, 2008

Convenção para a Salvaguarda do Património Imaterial


Encomendação das almas, Medelim.


Finalmente, foi publicado esta semana o decreto lei de ratificação da Convenção para a salvaguarda do Património Imaterial. Por fim, Portugal ratificou a tão desejada Convenção. Na sequência, o Instituto dos Museus está a preparar um conjunto de iniciativas que visam estruturar os novos desafios que se avizinham. Para tal, lançou recentemente um Programa de Estágios destinado a enquadrar a participação de Licenciados em Antropologia nos projectos em curso do Departamento de Património Imaterial. Trata-se sem dúvida de uma grande oportunidade. Toca a mexer!!!

consultar: http://www.ipmuseus.pt/

... quanto à imagem que ilustra este post, trata-se de uma encomendação das almas efectuada na encantadora aldeia de Medelim (Idanha-a-Nova). Esta prática assenta, muito resumidamente, num conjunto de cânticos executados por um grupo misto de homens e mulheres (pode variar de aldeia para aldeia), geralmente vestidos de luto, que se reúnem todas as sextas-feiras da Quaresma, normalmente à meia-noite, para percorrerem os pontos mais elevados da aldeia e em cada um destes entoarem os respectivos cânticos tristes acompanhados de algumas rezas.

sábado, março 29, 2008

SOBREVIVÊNCIAS ...


V.A..2007

Gradar a terra desta forma já não é uma prática muito comum neste Portugal dito rural sem ruralidade...

A fronteira como "património"...

Aconteceu ontem na Universidade Técnica de Lisboa-ISCSP.

"A fronteira como «património»: representações da raia entre Trás-os-Montes e a Galiza"

Paula Godinho


...fica o sumário e a partilha de uma temática que nos é tão próxima no seu sentido pleno...


"Nesta apresentação pretende-se interrogar os significados do património na raia, entre os concelhos de Chaves (em Portugal) e Cualedro, Oimbra, Verín e Vilardevós (no Estado espanhol). Quando se procura, através do registo escrito, reconstituir o passado neste segmento da fronteira são múltiplos os ecos da história militar que salientam o papel de acontecimentos de âmbito nacional, principalmente na resistência aos invasores estrangeiros. O castelo, o forte, a torre de menagem enfatizados pelo discurso erudito local ou translocal, podem ser subsumidos, desvalorizados ou destruídos na memória e nas práticas sociais locais que, seguindo uma lógica de bricolage, aproveitam, sob novos formatos, a sua materialidade, ou reinventam a sua recordação. A memória local, recolhida entre os residentes das aldeias raianas, está sobretudo eivada por sofrimento, marcada por carências, ressarcida entre o épico e o picaresco dos episódios de contrabando que configuram uma estratégia de resistência. As guerras, o contrabando, com um discurso explicativo em que a fome do passado era desencadeadora, ou a emigração, com o seu cortejo de clandestinos a caminho de vários países europeus, integram essa memória sofrida."

domingo, março 23, 2008

quinta-feira, março 20, 2008

RITOS QUARESMAIS


A quaresma que se iniciou com um amortalhar colectivo atinge o seu auge. Esta penitência colectiva  outrora assente sobretudo em ritos negativos: abstenção de consumir carne, proibição de actividades ruidosas, de cantar durante o trabalho e mesmo de usar roupas "alegres". Hoje resume-se praticamente à pontualidade do luto tenebroso da Sexta-Feira Santa, pautado por solenes procissões nas ruas escuras das aldeias onde o silêncio impera. Tudo se revela tenebroso: os passos lentos e dolorosos, as vestes negras, a sonoridade triste, a contenção das gestualidades, as velas e os archotes que crepitam como fogo-fátuos, o som sinistro das matracas que, segundo dizem,  "é semelhante ao som de ossos que se partem". Trata-se no seu pleno sentido simbólico de uma morte colectiva. Para quem nunca presenciou esta fascinante vivência, aconselho impreterivelmente o acompanhamento destes ritos tenebrosos pelas aldeias do concelho de Idanha-a-Nova, porque vale mesmo a experiência!

segunda-feira, março 17, 2008

ARQUITECTURAS DE TERRA




Casas em adobe, Ladoeiro (Idanha-a-Nova), 2008.

aqui neste lugar virtual tenho dedicado uma especial atenção a este tipo de construções. isto pelo facto de assistir ao seu progressivo desaparecimento. sabendo da importância milenar destas construções ecológicas, tenho alertado consecutivamente para a sua preservação. da minha parte, registo o saber-fazer dos seus "arquitectos", as suas técnicas, os materiais, as perícias, os objectos e as múltiplas histórias que lhes estão associadas. aproveito ainda para fazer a biografia possivel de algumas destas casas, traçar mapeamentos, etc. relativamente à sua localização geográfica dentro do concelho de Idanha-a-Nova, estas construções circunscrevem-se basicamente às aldeias do Ladoeiro e dos Toulões e suas respectivas paisagens limítrofes. 

domingo, março 16, 2008

sexta-feira, março 14, 2008

O REGISTO DAS TECNOLOGIAS DOS ESPANTALHOS


Cegonhas (Idanha-a-Nova), 2008.

Com o tão vincado abandono dos campos avultam por todas as paisagens inúmeros vestigios que evidenciam práticas hoje completamente inoperantes. Entre um vasto número, menciono e destaco as fantásticas tecnologias dos espantalhos, intimamente relacionadas com o afastamento dos potenciais invasores das parcelas cultivadas. Estamos perante uma multiplicidade de formas, umas ligadas à acção do vento, outras unicamente através da projecção do elemento da estranheza. Deste modo e por ser uma das minhas temáticas de eleição - a dimensão das tecnologias dos espantalhos - tenho por isso dirigido a minha atenção para o registo de um número crescente destas tecnologias, incluindo algumas inovações mais recentes como os cd's, os sacos plásticos coloridos, bonecas com fartas cabeleiras, etc. Aqui regressarei com a devida diversidade.

quarta-feira, março 12, 2008

LEITURAS ACTUALIZADAS EM TORNO DO "DAMONHO"...


Revista Terrain nº50 Mars 2008.

Sumário:

"De la grande panique sataniste qui a touché les USA et la Grande-Bretagne dans les années 1990 à l’omniprésence du Diable dans le discours des très dynamiques églises évangéliques, en passant par le regain des exorcismes effectués par les prêtres catholiques, la figure du Diable est toujours bien présente aujourd’hui en Europe. Même si la publicité use et abuse d’une image d’un Diable plus comique que dangereux, dans d’autres contextes ses représentations jouent toujours un rôle maléfique."

- Para consultar o sumário dos diversos artigos:

terça-feira, março 11, 2008

DAS RECOLECÇÕES À GASTRONOMIA LOCAL




Espargos-Asparagus officinalis

Por todo concelho de Idanha-a-Nova crescem estes espinhosos arbustos, simbolos exímios de orografias acidentadas. São essencialmente os seus frescos rebentos que são verdadeiramente apreciados nesta altura do ano. Importa sublinhar que um apreciável conjunto destas recolecções silvestres inscreve-se ao longo do calendário gastronómico local assinalando de forma evidente um conjunto de práticas e saberes que comportam: qualidades, épocas do ano, conhecimentos entre o que é comestivel e o que não é, perícias, sociabilidades, etc. Acerca deste vasto conjunto de recolecções destaco: os espargos, os tortulhos, as criadilhas, as meselhas, boguelhos, entre muitos outros (alguns destes nomes variam de aldeia para aldeia). Relativamente ao prato acima ilustrado deixo-vos o apetite para que possam saborear esta saudável refeição de espargos silvestres com ovos mexidos pelas terras idanhenses.

segunda-feira, março 10, 2008

porque o futebol é um fenómeno social e cultural de enorme amplitude, porque sou benfiquista, opto por colocar esta infeliz certeza: "o Benfica é um circo".

sábado, março 08, 2008

NOVAS CONFIGURAÇÕES DO UNIVERSO PASTORIL


V. A., Beira Alta, 2007.

Ouvi o harmonioso som dos chocalhos e das campainhas que me indicavam movimento. Orientei-me na sua direcção, segui por um velho caminho e de repente deparo-me com um tractor e uma mulher que o conduz e atrás, ordeiramente, numa sequência aparentemente pacífica e serena, o seu rebanho também ele a ser conduzido. A orientar este pequeno exército, dois cães hábeis na dita condução fecham as cerradas fileiras. Esta imagem ilustra muito bem o poder de adaptação e inovação dos grupos humanos. Vincando desta forma a errada visão de um mundo estático, fechado nesse passado concebido de modo idealista e ahistórico. Mesmo as sociedades mais remotas, como por exemplo aquelas confinadas em espaços de montanha, desde sempre procuraram romper com essa adversidade, através de seculares deslocações em busca de pastos, mercados e trabalho. Portanto, quando falamos de cultura, estamos também a falar de invenção, descontinuidade, novidade, ruptura, mudança, etc.