sexta-feira, maio 31, 2013

ILUMINAÇÕES

(cargocolective)

*do intangivel caminhante

a. rimbaud

domingo, maio 26, 2013

NO DIA DO FOLCLORE. BENFICAFLOCLORE.....

*um golo em fora-de-jogo...e depois há bruxas???

EMPIRISMOS...

*na maioria das vezes teorizamos demasiado o lado mais pragmático e mais divertido do ser humano em experimentar/experênciar o/com mundo...

UMA VISÃO

havia uma luz pastosa alaranjada repleta de milhares de pequenas luminosidades vegetais que o vento arrastava sem direcção definida. num ápice vi-me estagnado, eterno, imaterial, num regresso à antiga morada...

DESERTO DA NAMIBIA

(spaceimages)

esta árida-poetica-selvagem terra viu-me nascer numa bela madrugada de junho...

sábado, maio 25, 2013

domingo, maio 19, 2013

IDEALIZAR...


como anda por ai muito "penduranço" de gente que é fiel ao solene acto de mortificar os que humildemente trabalham. talvez assim evite que se propague o virús do plágio de circunstância caracteristico da parasitagem que trabalha muito bem com a lingua...

sexta-feira, maio 17, 2013

IDEALIZAR EM SILÊNCIO


um passeio matinal por dentro da manhã de maio. em apologia às formas vou-me enchendo de admiração...

terça-feira, maio 14, 2013

PASTOS DE MONTANHA


a apreensão  e percepção da montanha e sua vivência.
em breve um regresso prometido. 

sexta-feira, maio 10, 2013

CICLO DE MAIO. CRUZES DE P. GARCIA À SENHORA DA AZENHA





esta romagem aconteceu nesta quinta-feira da ascensão em pleno ciclo de maio, de P. Garcia ao antigo santuário da Senhora da Azenha, que fica isolado nos limites desta freguesia e de monsanto. talvez seja uma das poucas celebrações que ainda teima em manter algumas das singulares espressões de religiosidade popular que ficaram das antigas romarias portuguesas: romagem em procissão até ao santuário, ausência de elementos sonoros estereotipados, a presença das flores, as merendas e o convivio sem os elementos caracteristicos de feira. neste dia, conhecido também por "dia da espiga" no sul do país, ou "maias", onde a tradição consiste (ou pelo menos consistia) nas pessoas recolherem dos campos flores campestres e espigas de trigo, no sentido de os levar para casa, pelas virtudes benfazejas que neste dia congregam.  

para saber mais sobre este lugar e seu culto consulte:

*Salvado, Adelaide (2001) - Nossa Senhora da Azenha: a luz dos dias das gentes da raia. Câmara Municipal de Idanha-a-Nova.

quarta-feira, maio 08, 2013

ANIMAÇÃO PASTORIL



ainda no contexto da celebração pastoril de Rosmaninhal, o saber-fazer dos queijos. é importantíssimo mostrar/dar a ver estas especificidades tradicionais em torno das fases produtivas de uma economia (ainda) pastoril.

terça-feira, maio 07, 2013

A FAVOR DOS PEQUENOS TRÂNSITOS


tenho um especial gosto pelas pequenas viagens. aquelas que não se inscrevem nem têm lugar nessa estonteante categoria de "literatura de viagens". nem tão pouco dão lugar a medalhas por distâncias percorridas (ainda bem!!!). parece que quanto mais longe o "viajante" for, mais medalhado fica e por consequência mais estatuto ganha junto da categoria. pois bem, a verdadeira arte da contemplação está bem mais perto. 

sábado, maio 04, 2013

MAIS IMAGENS...



para saber mais sobre a continuidade deste projecto:

sexta-feira, maio 03, 2013

ROSMANINHAL: GRANDE ROTA DA TRANSUMÂNCIA. CELEBRAÇÃO DA CULTURA PASTORIL

 Chegada aos Alares.
Animação, grupo pastoril "pifaradas".

 Durante a caminhada pastoril.
Chegada ao Rosmaninhal.


aconteceu neste primeiro de Maio no Rosmaninhal esta celebração em torno da cultura pastoril. teve como principais organizadores, o município da Idanha, junta de freguesia do Rosmaninhal e a gardunha21. em termos de celebração pastoril, num lugar emblemático (Rosmaninhal) que em tempos congregou quase mais gados que pessoas, o encontro/festa da "grande rota da transumância" foi enunciador de várias leituras paralelas onde se destacam alguns tópicos das conversas: memórias, imaginários, surpresas, paisagens, os animais e os seus mundos, o acto de caminhar atrás de um rebanho de ovelhas, o degustar dos saborosos queijos da região...; por outro lado, para mim, estão também as perguntas e as ansiedades do presente desta ancestral actividade: as dificuldades em manter uma pastorícia tradicional face aos modelos próximos da agro-industria, onde a quase extinção da profissão de pastor já é uma realidade, as doenças e os aspectos sanitários que envolvem os gados e as suas lógicas de produção, enfim, houve espaço durante a celebração para percepcionar (ouvir)  com o presente e o futuro pastoril desta região.