quinta-feira, agosto 19, 2010

E O MAR ENTRA PELA JANELA...





homenagem-exposição a al berto, centro cultural emmérico nunes, sines.




incêndio

se conseguires entrar em casa e
alguém estiver em fogo na tua cama
e a sombra duma cidade surgir na cera do soalho
e do tecto cair uma chuva brilhante
contínua e miudinha - não te assustes

são os teus antepassados que por um momento
se levantaram da inércia dos séculos e vêm
visitar-te

diz-lhes que vives junto ao mar onde
zarpam navios carregados com medos
do fim do mundo - diz-lhes que se consumiu
a morada de uma vida inteira e pede-lhes
para murmurarem uma última canção para os olhos
e adormece sem lágrimas - com eles no chão


(o medo, p. 593)

2 comentários:

Sociedad de Diletantes, S.L. y Casilda García Archilla disse...

Gracias por el poema Eddy: te lo enlazo a mi blog.
Saludos
Casilda

Eddy Nelson disse...

muchas gracias casilda.

saludos