terça-feira, maio 20, 2008

LARÁPIOS DO PATRIMONIO




"Uma pedra com o brasão de Monsanto desapareceu esta madrugada de uma das entradas daquela vila histórica, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Álvaro Rocha." (Fonte: agencia lusa)


há muitos anos que ouço falar sistemáticamente sobre estes "pequenos furtos". durante o meu trabalho de campo na região, deparei-me inúmeras vezes com algumas destas histórias. a culpa, era quase sempre colocada nos "nuestros hermanos" espanhois, é evidente que não tem qualquer cabimento que a culpa seja inteiramente dos espanhois, haverá, com toda a certeza, uma organização e um negocio muito bem alicerçado por detrás destes furtos. pois, para que removam muitas destas pedras é sempre necessário uma logistica especializada e muito bem organizada: para além dos recursos humanos que muitas destas pedras exigem no decurso do dito processo, ora pela dimensão ora pela perícia que o acto de desmontar, mover e carregar exigem. Ouvi muitas histórias, uma delas, contada em Idanha-a-Velha, fazia referência ao roubo de pias em granito, pois seriam reaproveitadas para servirem de mesas com iluminação interior. a ideia é genial??!!! por outro lado, no blogue do joaquim baptista ( http://porterrasdoreiwamba.blogspot.com/) também tem sido dado um vincado alerta vermelho.

conclusão: a memória histórica da granitica aldeia "mais portuguesa" ficou com toda a certeza mais pobre e os larápios.... terão ficado mais ricos???

3 comentários:

al cardoso disse...

E tudo isto acontece porque somos precisamente nos, os mais interessados a descuidar-mos o nosso patrimonio.
Tenho-me temido eu proprio, por umas alminhas na minha freguesia, que se encontravam a beira de um caminho velho, mas que devido a obras na estrada foram colocadas em lugar de destaque junto ao entroncamento desta com outra estrada!
Faco ardentes votos que os "amigos" das pedras velhas nao passem por la!

Um abraco dalgodrense.

Eddy Nelson disse...

Caro al,

o problema que levanta é deveras complexo, bastante complexo mesmo. vejamos, como é que os municipios podem salvaguardar estas memórias históricas? colocando-as sob video-vigilância permanente? colocando-as dentro de grades ou qualquer outro tipo de gradeamento? levantado-as dos respectivos lugares? como vê, o problema face à sua protecção é de facto muito complexo!! quanto a mim, a video-vigilância talvez seja a mais eficaz...talvez! ainda que levante os tão contraditórios problemas relacionados com a privação da vida das pessoas dos ditos lugares. relativamente ao caso que apresenta relacionado com as alminhas,avanço com um conselho: fotografem tudo, registem tudo, inventariem tudo, para que no eventual caso de furto, tenham provas concretas destes - por mim tão estimados - testemunhos arcaicos relacionados com as manifestações quase mágicas das sociedades locais com os ditos lugares.

um abraço

Eddy Nelson disse...

Caro al,

o problema que levanta é deveras complexo, bastante complexo mesmo. vejamos, como é que os municipios podem salvaguardar estas memórias históricas? colocando-as sob video-vigilância permanente? colocando-as dentro de grades ou qualquer outro tipo de gradeamento? levantado-as dos respectivos lugares? como vê, o problema face à sua protecção é de facto muito complexo!! quanto a mim, a video-vigilância talvez seja a mais eficaz...talvez! ainda que levante os tão contraditórios problemas relacionados com a privação da vida das pessoas dos ditos lugares. relativamente ao caso que apresenta relacionado com as alminhas,avanço com um conselho: fotografem tudo, registem tudo, inventariem tudo, para que no eventual caso de furto, tenham provas concretas destes - por mim tão estimados - testemunhos arcaicos relacionados com as manifestações quase mágicas das sociedades locais com os ditos lugares.

um abraço